Mercados de divisas principais

A negociação de divisas estrangeiras é efectuada, essencialmente, de duas formas distintas. Num câmbio organizado e no mercado de balcão, ou "over the counter". O câmbio de divisas representa apenas uma porção muito pequena do total do mercado de divisas.

A grande maioria das negociações de divisas estrangeiras são efectuadas entre bancos e outros participantes no mercado de divisas "over the counter".

Câmbio de divisas

No caso de um câmbio organizado, como o Chicago Mercantile Exchange (CME) nos EUA, os volumes de contratos estandardizados de divisas que representam um certo valor monetário são negociados nos Mercados Monetários Internacionais (MMI).


Uma central de validação organiza as transacções entre as contrapartes. Há várias desvantagens em negociar futuros de divisas, como é explicado no capítulo "Vantagens de negociar em Forex".

Mercados de divisas

Em comparação, o mercado de balcão, ou "over-the-counter", é negociado em todo o mundo por uma multiplicidade de participantes, sendo a qualidade de preços, reputação e condições de negociação que determinam com quem um participante deseja negociar.

É provavelmente o mercado mais competitivo do mundo. Corretores como a ACM precisam assegurar-se que estão ao nível dos mais elevados padrões de serviços e em conformidade com os padrões e práticas do mercado, por forma a conquistarem novos clientes e a manterem os existentes.

Em 2007, uma sondagem efectuada pelo Bank for International Settlements (BIS) mostrou que o turnover global de dealers era de cerca de USD 3.2 triliões por dia, representando um aumento de mais de 60% desde 2004.

De entre os vários centros financeiros em todo o mundo, a maior parte das negociações de divisas estrangeiras é efectuada no Reino Unido, ainda que a divisa do país, a Libra Esterlina, é menos negociada no Mercado de divisas que outras. Como é mostrado no gráfico abaixo, o Reino Unido representa cerca de 34% do total global. Os Estados Unidos estão num longínquo segundo lugar com 17%. A Suíça é terceira com 6.1%, com o Japão a ficar-se pelo quarto lugar com 6%.